Início » Prefeito sugere tratamento inusitado para Covid-19, aplicação pelo ânus
Notícias

Prefeito sugere tratamento inusitado para Covid-19, aplicação pelo ânus

ozonio
Foto: Metrópoles

Na cidade de Itajaí, em Santa Catarina o prefeito tomou uma medida um tanto quanto inusitada. Foi anunciado nesta terça-feira 4 de Agosto, que a cidade foi inscrita no CONEP um comitê de pesquisa, oferecendo um tratamento contra a Covid-19 que dará o que falar. Ele sugere um tratamento via anais com ozônio, mas esse tratamento será aplicado somente nos casos já confirmados de infecção.

O prefeito da cidade Volnei Morastoni garante que a aplicação é tranquila e na sua declaração ele diz que será algo rápido e indolor. O prefeito que também é médico relata que seria necessário apenas 10 aplicações para que o tratamento tenha o efeito desejado, e ele será aplicado somente naquelas pessoas que concordarem com o tratamento.

A prefeitura da cidade atualmente está distribuindo Ivermectina para os infectados e esse seria apenas mais um tratamento opcional aos que testarem positivo para o novo coronavírus. Depois de anunciado no Facebook o tratamento inovador sua publicação foi excluída.

Vamos aguardar as novidades sobre esse inusitado caso, e ver se realmente ele apresentará resultados satisfatórios com esse nada convencional tratamento. Caso ele tenha um bom resultado outras prefeituras poderão aderir o meio de combater a doença.

Deixe nos comentários abaixo sua opinião sobre essa nova maneira de tentar erradicar esse terrível vírus que tem assolado nosso país e o mundo todo. E caso ele funcione de fato se você teria coragem de utilizar esse método, seja sincero em sua opinião.

Compartilhe com todos os seus amigos e familiares para que eles também possam opinar sobre o tratamento e dizer se teriam coragem de enfrentar algo assim caso fiquem infectados e o tratamento seja comprovado ser eficaz. Lembre-se de sempre respeitar o comentário do próximo e não esquecer que podemos aprender um com a opinião dos outros sempre.

E que tudo isso acabe logo!

Fonte: Metrópoles