Início » Padrasto é acusado de abusar e engravidar sua enteada de apenas 11 anos, menina está de 8 meses
Notícias

Padrasto é acusado de abusar e engravidar sua enteada de apenas 11 anos, menina está de 8 meses

Foto: Visao Oeste

Depois do caso da menina de 10 anos que chocou o Brasil infelizmente estamos vivenciando um caso muito parecido mais agora é o próprio padrasto que é acusado de abusar da enteada e engravidá-la, a menina possui apenas 11 anos de idade. Ela está grávida de oito meses e tem deixado todas as pessoas revoltadas com mais esse caso de abuso no próprio lar.

O caso ocorreu na Serra Catarinense e a polícia está investigando esse caso, o padrasto de 36 anos de idade está preso e é o principal suspeito desse terrível crime. Ele foi detido por outro crime, o caso só foi descoberto a poucos dias a menina mora com a mãe e com esse suspeito e já está no oitavo mês de gestação.

O Conselho Tutelar da cidade relatou que a mãe trabalhava fora e deixava a menina aos cuidados do padrasto que infelizmente aproveitava da situação e abusava da criança. A Assistência Social e psicólogos da rede de saúde da cidade estão acompanhando a criança de perto e dando todo suporte necessário para que ela tenha uma gravidez sadia.

Está sendo realizado o pré-natal e todo acompanhamento a essa gravidez de risco. O principal suspeito mora com a mãe da criança e a menina à 10 anos, agora é um grande desafio para a justiça junto ao Conselho Tutelar descobrir quando esses abusos começaram e à quanto tempo ele é realizado pelo padrasto. Infelizmente mais um caso muito revoltante de abuso em uma menina indefesa, porém como foi descoberto já no fim da gravidez o interrompimento da gravidez já foi descartado.

E o que resta é cuidar da menina e da criança para que ambos possam sobreviver a todo essa gravidez de risco, tanto para a menina que possui corpo de criança e não tem estrutura para gerar uma vida. Quanto a vida do próprio bebê que pode ter grandes complicações pelo organismo da menina não estar preparado para gerar uma vida.

Fonte: G1