Início » Ministro da Economia diz que o valor das próximas parcelas do Auxílio Emergencial ainda seguem indefinidas.
Notícias

Ministro da Economia diz que o valor das próximas parcelas do Auxílio Emergencial ainda seguem indefinidas.

auxilio
Foto: UOL

A equipe da economia usam a estrategia de prorrogação do auxílio emergencial, porém os valores das parcelas pagas iriam caindo até R$ 300 no mês de Dezembro. Neste período de tempo seria negociado o novo programa Renda Brasil, o qual irá substituir o programa Bolsa Família.

O governo Federal está a discutir os próximos valores que serão pagos a população, pelo Auxílio Emergencial, onde obterão recursos para o novo programa Renda Brasil, que será substituto do programa Bolsa Família.

No início da tarde desta ultima sexta-feira (28), o ministro da Economia Paulo Guedes ressalta que o valor das próximas ainda seguem indefinidas.

“sabemos que R$ 600 é muito, R$ 200 é muito  pouco. No entanto, estamos tentando acertar os valores. Porém está tudo claro, tudo tranquilo. Por isso eu sempre repito que o timing quem dá é a política. Temos as simulações todas preparadas. Agora, o timing do nível do auxílio emergencial ou da Renda Brasil, são decisões políticas” Destacou Paulo Guedes.

Os beneficiários do programa Bolsa Família, recebem o auxílio emergencial nos últimos dias de setembro, no entanto, não há uma definição das novas parcelas, voltariam a receber o valor normal do beneficio R$ 190, em média. Decisão tomada pelo presidente Jair Bolsonaro.

A estrategia que a equipe da economia iria adotar seria a prorrogação do Auxílio e irem baixando as parcelas até chegarem a R$300 até o mês de Dezembro, neste período de tempo seria renegociado com o congresso o novo programa Renda Brasil que pagaria cerca de R$ 300 a partir de Janeiro.

O ministro da economia diz que todos estes gastos tem que caber no orçamento, respeitando o teto de gastos, o qual não permite que as despesas subam a cima da inflação.

O presidente Jair Bolsonaro, irá apresentar o Renda Brasil aos líderes da base do governo na próxima semana.

 

 

Fonte: G1- JN