Início » Ministério Público de São Paulo denuncia novamente Felipe Prior, do ‘BBB20’
TV e Famosos

Ministério Público de São Paulo denuncia novamente Felipe Prior, do ‘BBB20’

Foto: https://extra.globo.com/

O Ministério Público de São Paulo condenou nesta quinta-feira Felipe Prior, ex-integrante do “Big Brother Brasil 20” por abuso sexual. A ação ocorreu dois dias após a conclusão da investigação pela Primeira Delegacia de Defesa da Mulher (DDM), sem processar o arquiteto duas vezes por abuso sexual e mais 1 tentativa, que ocorreu entre 2014 e 2018.

Os promotores Danilo Romão, da 7ª Promotoria Criminal, e Fernanda Moreti, da Promotoria da Violência Doméstica, denunciaram Felipe Prior por um crime de abuso sexual, com base no artigo 213 do Código Penal Brasileiro. O crime teria acontecido em São Paulo, em 2014. A denúncia foi encaminhada para a 7ª Vara Criminal da Barra Funda e vai tramitar sob segredo de Justiça.Como a suspeita de ocorrência ocorreu em outros municípios paulistas, os outros dois processos serão encaminhados ao Ministério Público local, que analisará a denúncia.

Segundo a policial Maria Valéria Pereira Novaes, da Polícia Civil do Primeiro Distrito, a decisão de não processar Prior foi porque ela não conseguiu se convencer que ele poderia ter cometido o crime. No entanto, o representante explicou que o relatório final do caso será entregue à investigação da prova em doze páginas, depoimento de testemunha e primeira prova de verificação, e será enviado ao Ministério da Administração Pública, que condenou o arquiteto. Ela também destacou que a conclusão do inquérito policial não ilibou o antigo BBB.

O defensor de Prior declarou ao G1 por meio de uma nota: “A justiça prevalecerá, o judiciário chegará à mesma conclusão que a polícia e a polícia acredita que Pris não é culpado”. A defesa também classificou as alegações de abuso sexual como “infundadas e injustas”.

Ainda em nota, as advogadas Maira Machado Frota Pinheiro e Juliana de Almeida Valente representantes das supostas vítimas afirmaram: “ Apesar de tentarem desacreditar as acusações e as vítimas. Após o muro histórico realista, logo após o arquiteto deixar a casa do “Irmão Irmão 20”, o suspeito crime sexual foi exposto.

Fonte: https://extra.globo.com/