Início » Mandetta admite ser candidato a eleições em 2022, prega transformação e critica governo Bolsonaro
Política

Mandetta admite ser candidato a eleições em 2022, prega transformação e critica governo Bolsonaro

Mandetta
Foto: radiometropole

Luiz Henrique Mandetta, ex-ministro da saúde admitiu que pode ser candidato a presidência em 2022.

Em entrevista ao programa ponto a ponto, do canal Band News ele afirmou que em 2022 vai lutar por aquilo que ele acredita.

“Em 2022, eu vou esta em praça publica lutando por algo em que eu acredito”

“Se os democratas acreditar na mesma coisa, eu vou. Mas se eles quiserem uma coisa diferente da minha eu vou procurar o meu caminho. Tenho certeza que acharei meu caminho, como candidato, ou carregando o porta-estandarte do candidato que eu realmente confiar. Mas que esta participando ativamente das eleições, isso eu vou”.

Ao ser questionada se ele estava se referindo em participar das eleições, mas em especial a da presidência ele respondeu com confiança: “A presidência, ou a vice-presidência”.

O ex-ministro também destacou que vários cargos serão disputados em 2022, como governador e senador. Porem ele descartou participar de eleições para deputado.

Mandetta criticou o governo Bolsonaro e falou que a politica do governo esta polarizada e disse que com ele não terá polarização.

Em 2022, polarização, com certeza não. Se nós conseguirmos um grande acordo, será um grande caminho pelo centro democrático, não por esse centro fisiológico aí que está fazendo essa nova base de sustentação.
Faremos um centro bacana, que respeite a diversidades, sem olhar se o cara é gay, hétero, alto ou baixo.
Vamos respeitar a individualidade de cada um. Vamos promover uma revolução de uma década, porque essa de 2010 a 2020 foi jogada no lixo”.

Agosto será o mês de lançamento do ex- ministro da educação, o livro vai contar sua experiência como Ministro da Saúde em meio à pandemia mundial. Segundo ele, o livro será colocado debaixo do braço e então ele viajara o Brasil.

O ex-ministro foi demitido, pelo presidente em abril, após passarem por intensos embates sobre medidas na pandemia.

Fonte: Folha de São Paulo