Início » Igreja Universal repudia supostos ataques contra angolanos.
Política

Igreja Universal repudia supostos ataques contra angolanos.

Foto: Pragnatismo Político

Nesta quinta-feira, 03 de setembro, a Igreja Universal do Reino de Deus afirmou que não sabem e repudiam os supostos ataques de xenofobia contra os angolanos aqui no Brasil.

“Há diversos pastores nascidos em Angola exercendo atividade missionária em nossa igreja Universal em nosso país, que podem atestar que foram bem recebidos e que são respeitados por todos” destacou a igreja em nota.

Eles também alegaram que além de ter pastores angolanos aqui, eles destacaram que ajudam imigrantes e refugiados, não só no Brasil, mas em todo o mundo.

“Entre tanto, vale destacar que a nossa Igreja oferece ajuda humanitária a refugiados e imigrantes, não só Brasil mas também em outros países do mundo, há muito tempo.”

A Igreja Universal destacou que em todo território Brasileiro, eles tem ações sociais as quais já foram responsável por socorrer vários venezuelanos, sírios e até angolanos e entre outros países.

“Durante está crise da pandemia da covid-19, os países onde existem os campos de refugiados, como no Chipre, na Turquia e Malásia, a Igreja Universal auxiliou os estrangeiros que estão abandonados em alojamentos sem água, luz e sem comida” disse a igreja em nota.

A igreja se defendeu em vista que ajudam várias pessoas de todos os países, segundo eles essa informação de xenofobia é mentira e uma ofensa gravíssima a eles que trabalham com serviços humanitários.

“Esta especulação de que a Universal está, de alguma maneira, estimulando a xenofobia contra os angolanos no Brasil, é uma pura mentira e uma gravíssima ofensa a todo o trabalho humanitário desenvolvido em favor dos estrangeiros que passam por dificuldades, em nosso país e em outras nações.”

Segundo eles pastores, bispos e fiéis da Igreja Universal do Reino de Deus sofrem intolerância religiosa com segmento da sociedade e de alguns governantes, não esquecendo também da mídia, de acordo com eles por prestar ajuda aos que precisam sofrem este tipo de preconceito.

 

Fonte: R7