Início » Grande avanço: Rússia inicia segundo teste de nova vacina contra a Covid-19 em humanos
Notícias

Grande avanço: Rússia inicia segundo teste de nova vacina contra a Covid-19 em humanos

vacina coronavirus
Foto: Exame

Segundo a agencia RIA, nessa segunda feira (27), a Russia começou a fazer testes no que pode ser a segunda vacina contra a Covid-19 do pais. A vacina começou a ser testadas em humanos, e um dos cinco voluntários para os testes já tomou a primeira dose dessa vacina.

No dia 30 de julho, o segundo voluntario ira receber uma dose para continuação dos testes, informou a Rospotrebnadzor, que é a responsável pela segurança do consumidor naquele pais.

Um estudo governamental afirma que o Instituto Vector, na Sibéria, esta em faze de teste de uma vacina Peptídica, e segundo eles a plataforma que esta sendo usada foi desenvolvida pela primeira vez para o vírus ebola.

A estimativa é que cerca de 100 voluntários estejam disponíveis para esse testes. Os voluntários escolhidos terão a idade minima de 18 anos e máxima de 60 anos.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a vector esta bastante empenhada em encontrar de uma vez por todas uma vacina, por isso esta trabalhando em pelo menos 6 vacinas diferentes.

Em uma instalação de pesquisa estatal, na cidade de Moscou, concluiu através do instituto Gamaleya, os primeiros testes em humanos, e essa vacina é baseada em Adenovírus, que poderá ser fabricada em grande escala no mês de agosto.

No mundo inteiro vários institutos e universidades, fecharam parceria para produzirem uma vacina. E segundo informações a ao todo cerca de 100 vacina sendo desenvolvidas por diversos países do mundo, com o proposito de colocar um fim na pandemia.

Dessa 100 vacinas que estão sendo desenvolvida através do mundo, 4 delas estão em testes finais da 3 fase.

Se tudo correr como o esperado breve o mundo terá no minimo 4 vacinas disponíveis para imunizar a população mundial.

O mundo espera ansioso por uma cura desse grande mal, e noticias como essas traz esperança para o mundo todo, pois todos independente de nacionalidade ou língua foram afetados pelo coronavirús.