Início » Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, depositou 89 mil em cheques na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.
Política

Ex-assessor de Flávio Bolsonaro, depositou 89 mil em cheques na conta da primeira-dama, Michelle Bolsonaro.

foto: O Globo

O depósitos realizados pelo ex-assessor Fabrício Queiroz, foram expostos pela revista Crusoé. O nome de Michelle apareceu na investigação pela primeira vez em dezembro de 2018.

Queiroz e a mulher dele, Márcia Aguiar, fizeram um depósito de 89 mil em cheques na conta bancária de Michelle Bolsonaro, os depósitos foram revelado na revista Crusoé.

Em dezembro de 2018, o nome de Michelle apareceu pela primeira vez nas investigações, o relatório da Coaf identificou  movimentações suspeitas na conta do ex-assessor de Flávio Bolsonaro, que teria feito um depósitos em cheques, que ao todo somavam 24 mil reais.

No entanto, o presidente Jair Bolsonaro havia justificado as transferências, dizendo que havia emprestado dinheiro a Queiroz e que os depósitos realizados na conta de Michelle eram parte dessa dívida. ” não foi apenas uma vez que ele teve dívida comigo e pagou em cheques” disse o presidente.

Segundo Bolsonaro os depósitos teriam sido realizados na conta da primeira-dama, pois deixou a sua no Rio de Janeiro, e diz que não foram 24 mil e sim 40 mil.

No entanto, as movimentações divulgadas nesta ultima sexta-feira pela revista Crusoé, somam os depósitos realizados na conta de Michelle Bolsonaro, um valor maior que 72 mil, realizados por Fabrício Queiroz.

Segundo informações, os extratos da conta de Michelle mostram que a sua conta começou a ser abastecida por Queiroz em 2011. Ele teria depositado pelo menos 21 cheques para a primeira-dama, três cheques de 3 mil em 2011, seis cheques de 3 mil em 2012, em 2013 foram mais de três cheques de 3 mi. Há registro que em 2016 foram nove depósitos que somavam a equivalente 36 mil.

Segundo a revista todos os extratos bancários de Queiroz não constam nenhum depósito do presidente Jair Bolsonaro para a conta do ex- assessor, nem mesmo os 40 mil que o presidente alega ter emprestado.

O Ministério Publico afirmou que Queiroz era operador financeiro do suposto esquema de rachadinha do gabinete de Flávio Bolsonaro, quando ele ainda era deputado estadual.

No entanto, o Ministério Publico do Rio de Janeiro informou que Michelle Bolsonaro não faz parte da investigação sobre a suposta rachadinha.

Fonte: G1