Saúde e bem estar

Com vacina bem sucedida a cura da Covid-19 fica mais próxima

Vacina covid 19
Foto: Exame

Essa vacina foi desenvolvida para combater a mutação que o vírus geralmente possui no organismo das pessoas, essa mutação esteve presente em cerca de 70% dos infectados. Umas das voluntárias aos testes dessa vacina apresentou um quadro satisfatório em relação ao combate do coronavírus, aproximando os pesquisadores de enfim desenvolver a cura.

Essa vacina está sendo desenvolvida pela empresa Moderna e tem tido bons resultados em sua pesquisa, criando uma grande expectativa em relação a cura do vírus. Essa pesquisa tem sido desenvolvido por um professor da Universidade da Pensilvaniana, porém ainda não foi revisada por outros profissionais.

Segundo estudo essa mutação é realizada nas vias respiratórias e com isso o contaminado transmite com mais facilidade o vírus, caso seja realmente efetiva essa vacina o contágio já será mais difícil já que ela age neutralizando essa mutação.

A desenvolvedora da vacina já testou em ratos, macacos e agora está realizando os testes nos humanos. Amostras de sangue estão sendo coletadas dos voluntários para que os devidos estudos sejam realizados e quem sabe chegarmos mais próximos da cura efetiva dessa terrível doença.

Nesta segunda-feira dia 27 de Julho a empresa moderna irá começar uma bateria de trinta mil testes em voluntários e o resultado desses testes poderá nos deixar praticamente com a cura na mão. Sendo assim a empresa será a primeira a disponibilizar a vacina ao mercado para toda a população.

Vamos torcer para que de fato essas trinta mil pessoas possam ser curadas desse vírus e assim a empresa avançar ainda mais nas pesquisas até conseguir chegar ao produto final. E que essa vacina possa chegar o mais rápido possível ao comércio local e ao sistema de saúde público nacional.

Enquanto aguardamos vamos fazendo nossa parte cumprindo as normas de segurança e respeitando o isolamento social para que o vírus não se propague ainda mais entre a população brasileira.

Fonte: Exame