Início » Chile: após inúmeras denúncias sobre abuso Igreja orienta autoridades religiosas à não tocar partes íntimas e beijar na boca de crianças
Notícias

Chile: após inúmeras denúncias sobre abuso Igreja orienta autoridades religiosas à não tocar partes íntimas e beijar na boca de crianças

Foto: El País

A situação no país ficou tão difícil que foi preciso que a hierarquia católica do Chile publicasse orientações do que não se deve fazer em determinadas situações e isso tem trazido grande polêmica em todo o mundo. Após o Ministério Público registrar cerca de 126 casos de abuso em menores realizados por religiosos a igreja resolveu tomar uma medida para evitar que esse número cresça ainda mais.

Na orientação a igreja deixou bem claro a proibição de abraços muito apertados e demorados, palmadas nas nádegas, tocar genitálias e peitos das crianças, massagens, beijos na boca e até mesmo dormir junto de crianças sejam meninos ou meninas e muito menos adolescentes. Essas orientações tem dado o que falar em todo mundo.

A orientação ficou pouco tempo publicada no site da organização, em poucas horas ela foi retirada pelo tamanho da repercussão que obteve, pessoas no mundo todo começaram a comentar e isso causou um grande desconforto e uma impressão negativa ao clero chileno. Não sabemos se foi realmente somente uma instrução para evitar possíveis casos ou se de fato foi uma medida protetiva pelo que já foi denunciado até aqui.

O que sabemos que infelizmente temos visto casos de abusos em menores no mundo todo, e muitas das vezes de pessoas que possuem a confiança da família. Portanto, fique de olho sempre e tente conversar com seus filhos sobre o assunto.

Mesmo que seja um assunto constrangedor e difícil de lidar não deixe de conquistar uma confiança de seus filhos para contarem tudo sobre esse assunto. Somente com confiança, carinho e amor atos assim poderão ser evitados dentro de nossas casas.

É necessário fazer de tudo para evitar que isso ocorra, pois é um trauma muito grande. Mesmo depois de adulto uma criança que passou por isso pode ter grandes dificuldades de se relacionar novamente e ter uma família.

Fonte: El País