Saúde e bem estar

Anticoncepcionais causam mesmo trombose? Conheça mais sobre o assunto e desvende os mitos e verdades

Foto: boainformacao.com.br

O método mais usado de contracepção é o uso de medicamentos, mesmo hoje em dia termos tantos outros meios como estilo de vida, preservativos, e injeções dentre outros. A maioria das mulheres ainda preferem o consumo desses medicamentos, porém ele pode trazer grandes complicações para a saúde e hoje vamos conhecer um pouco mais sobre esse assunto.

Segundo estudos o uso desses medicamentos podem causar pequenos coágulos no organismo da mulher e isso pode causar trombose. Porém os números mostram que a relação entre as pílulas e essa doença é muito menor do que se acredita.

Estudos apontam que não são todas as pílulas que podem causar essa doença e sim as que possuem combinações de compostos com derivados de estrogênio além de outros hormônios. Com isso é importante saber quais são esses que podem trazer algum risco e quais podem ser usados sem problemas maiores.

Mesmo estes que possuem esses compostos só causam algum problema maior nas mulheres que já apresentam outros fatores de risco, caso contrário o risco é mínimo. Conheça os 10 medicamentos ante contraceptivos que eventualmente podem causar alguma complicação mediante as condições relatadas logo acima.

Eles são o Microvilar, Allestra, Diane, Ciclo 21, Belara, Level, Selene, Stezza, Mercilon e Siblima.

Portanto se você apresenta alguma tendência em seu quadro clínico a ter trombose e faz o uso de algum desses medicamentos seria bom procurar uma orientação medica sobre o assunto. Para saber se é necessário a troca ou não do medicamento, porém se não apresenta nenhum risco pode ficar tranquilo quanto ao uso dessas pílulas.

É muito importante lembrar que este artigo tem caráter apenas informativo e qualquer sintoma um médico deverá ser consultado. Somente com ajuda profissional forme qualquer opinião sobre o assunto.

Compartilhe com todas as mulheres que conhece e ajude-as a desvendar esse grande mito sobre os anticoncepcionais.

Fonte: boainformacao.com