Início » Amigas de jovem gravida morta em SC se pronunciam sobre o caso “Ela adorava ser professora”
Notícias

Amigas de jovem gravida morta em SC se pronunciam sobre o caso “Ela adorava ser professora”

Foto: Diario do Planalto

Amigas da jovem gravida que foi assassinada e depois teve o seu bebê arrancado do seu ventre, falaram sobre o caso e sobre a pessoa maravilhosa que era a vitima.

A vitima foi assassinada a tijoladas e teve a barriga cortada por um estilete na cidade de Canelinha, o crime chocou toda a cidade e também todo o Brasil, que esta assustado e indignado com a forma brutal que a gravida foi morta.

As amigas da jovem assassinada estão muito abaladas e lembram da vitima como uma pessoa maravilhosa e dela só tem a lembrar os momentos bons que viveram juntas.

Os familiares e amigos ainda estão tentando absorver esse momento horroroso e chocante que marcou a cidade de apenas 12 mil habitantes. O corpo da vitima foi encontrado dentro de uma fabrica de cerâmica abandonada.

A autora do crime armou um chá de bebê falso para a vitima que ao chegar ao local foi assassinada de forma brutal. O velório ocorre neste sábado (29/08) no centro da cidade.

Uma amiga da vitima falou sobre toda essa dor: “Não estou conseguindo acreditar ainda, ninguém consegue acreditar que isso tudo aconteceu”, disse Josiane da Silva, amiga da vitima. Josiane foi uma das duas amigas escolhidas pela jovem e o companheiro para serem as madrinhas da primeira filha do casal.

O parto da jovem estava previsto para o mês de setembro, o casal estava extremamente feliz e contavam os segundos para terem em seus braços a bebêzinha. Segundo as amigas a jovem era pedagoga, e tinha um carinho maravilhoso pelas crianças.

“Ela sempre gostou de crianças e adorava ser professora”, disse a miga da vitima Jeisiane Benevenute Pacheco, que conhece a vitima desde a infância e também foi escolhida para ser madrinha do bebê.

“Era ótima professora. A gente pegou afinidade quando trabalhamos na mesma creche, surgiu uma amizade enorme. Ela era uma pessoa que não via maldade. Estávamos desesperados e decidimos procurar. Eu estava junto quando achamos ela. A gente sempre tem esperança de encontrar viva, mas no fundo sabia que algo ruim tinha acontecido. Quero guardar apenas lembranças boas dela e ajudar na educação da menina com meu marido, os outros dindos e a família dela”, contou Josiane.

Fonte: G1