Início » Acidente na BR-277: Motociclista salvou namorada antes de morrer em engavetamento, diz familiar
Notícias

Acidente na BR-277: Motociclista salvou namorada antes de morrer em engavetamento, diz familiar

Guilherme Henrique Ribas de Oliveira, morto em engavetamento na BR-277, no PR Imagem: Reprodução Foto: UOL

Guilherme Henrique Ribas de Oliveira, um ciclista de 28 anos, morreu em uma pilha de 22 carros na região metropolitana de Curitiba, pouco depois de salvar sua namorada. A história é contada por sua irmã Drieli Ribas Linhares. Ele é uma das oito vítimas registradas.

Quando ocorreu o acidente da BR-277, o casal estava andando de moto. O relatório do sobrevivente indicava que Guilherme e sua namorada foram atropelados por um carro na pilha. Segundo sua irmã, ela ficou presa embaixo do carro.

Gilhem então tomou medidas para libertá-la. Logo depois, ele foi atropelado por um caminhão que não conseguia frear, bateu em um carro que havia parado devido ao acidente e morreu no local.

Sua namorada ficou ferida e foi hospitalizada em coma. Segundo Drelli, ela ainda não conhece a morte de seu companheiro.

A irmã da vítima disse: “Ele é um herói.” “Então, vamos nos lembrar dele”.

Segundo ela, Guillerme sempre foi o “pai” dela e de seus irmãos. Ele é o filho mais velho de uma família de seis filhos com pais separados.

Deleri também disse que Gilhem era muito alegre e extrovertido. Ele sonha em comprar um caminhão sozinho e levar a mãe em uma viagem. “Ele sempre disse que aceitaria.”

Acidente com mais de 20 veículos na BR-277 deixa 8 mortos no Paraná

Na noite de ontem, a 76 quilômetros da BR-277, em peregrinação a Paranaguá, na região de San Jose dos Pinhas (PR), ocorreram mais de 20 acidentes de trânsito, resultando em pelo menos 8 mortes e 26 feridos. Segundo o Corpo de Bombeiros e a Polícia Rodoviária Federal, o acúmulo de fumaça causado pelo fogo e pela densa neblina.

7 pessoas morreram no acidente, 3 homens e 4 mulheres. A oitava vítima – outra mulher – morreu no Hospital Universitário de Cajulu.

A experiência do IIPR (Instituto de Identificação e Reconhecimento do Paraná) identificou oito mortes.

Fonte: UOL